Mitos e Verdades sobre a Felicidade

Se lhe perguntassem neste momento se “é possível sermos felizes?” qual seria a sua resposta?

Esta semana participei no III Congresso de Psicologia Positiva e foi muito interessante recordar algumas verdades sobre um conjunto de mitos que andam envoltos no conceito de felicidade.

Quem deseja viver uma felicidade perfeita, duradoura, permanente; quem acredita que a felicidade está fora do seu alcance, vive um dos maiores mitos da felicidade.

A verdade é que sim, é possível sentir-se regularmente emoções positivas; que uma vida completa contempla muitas mais facetas que a exclusiva felicidade, e que estar satisfeito com a vida no seu dia-a-dia é só uma subtileza permanente da volátil felicidade.

Então o que nos faz feliz?

Existe uma imensidão de itens que associamos ao conceito de felicidade com alguma regularidade e que na sua essência, não são validados cientificamente por nenhum estudo como fator determinante dos nossos rácios de felicidade.

  • Riqueza não faz a diferença quando se tem suficiente para cobrir necessidades
  • A qualidade dos nossos relacionamentos pode elevar níveis de felicidade mas não a determina
  • Ter um trabalho cativante ajuda mas não condiciona a felicidade quando não o temos
  • Não existe uma idade para ser feliz, a felicidade não declina com a idade; o que declina com a idade são os preditores de felicidade
  • Ser fisicamente atraente não implica ser mais feliz, ter filhos não implica ser mais feliz; ser mais inteligente não implica ser mais feliz

O que muitas vezes acontece é que quando perguntamos a alguém o que as faz feliz a resposta envolve condicionantes do género: “vou ser feliz quando….!”

Outras variáveis não sendo determinantes da felicidade podem, aquando da sua presença influir no seu aumento e intensidade:

  • Para algumas pessoas a prática da religiosidade e espiritualidade pode afetar positivamente a felicidade;
  • Dizem que dias de sol trazem felicidade mas a verdade é que a felicidade não varia com o tempo. Um dia de chuva pode influir negativamente mas mais uma vez não é determinante
  • Um bem-estar físico geral – contribui para a felicidade (bom sono, exercício físico, alimentação saudável)

“Desejar obsessivamente ser feliz pode ser o principal motivo pelo qual não o somos!”

Segundo Martin Seligman, um dos grandes estudioso na área da felicidade promove várias mudanças no comportamento dos indivíduos, que sendo incutida nas suas práticas diárias, lhe vai permitir aceder a estados de felicidade “reais e saudáveis”.

  1. Expressar gratidão e apreço
  2. Praticar atos de bondade simples (desenvolvi os #meraqicards como um maneira de promover este item nas nossas práticas diárias)
  3. Lidar com a adversidade ao invés de mergulhar nela
  4. Promover pensamentos otimistas
  5. Aprender a perdoar
  6. Savoring (arte de aproveitar cada momento)
  7. Comprometer-se com objetivos de vida
  8. Praticar exercício físico
  9. Desenvolver espiritualidade e/ou meditação

A Meraqi surgiu como uma metodologia que visa promover um estilo de vida focado no sucesso e felicidade e este é o nosso mote todos os dias, inspirar mudanças positivas em quem realmente deseja assumir o controlo da sua vida e da sua felicidade.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se ao debate?
Esteja à vontade para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *