Está a sabotar a sua autoconfiança?

Está a sabotar a sua autoconfiança?

Será que existe uma fórmula para fortalecer a nossa autoconfiança?

Será que inconscientemente estaremos a lesar o nosso potencial de sentir confiança?

Como é que podemos sair do ciclo de “falta de confiança” e recuperar o controlo emocional?

Para termos uma vida mais plena será fundamental termos uma autoconfiança sólida e reforçada?

Nós últimos dias tenho recebido alguns contactos de pessoas com uma necessidade comum: a de perceber como podem lidar com os seus desafios de autoconfiança.

Se está a ler e tem dúvidas se faz parte deste leque de pessoas, responda às seguintes questões:

  • Porque tem lutado ultimamente?
  • Onde se têm concentrado as suas dúvidas e incertezas?
  • Tem sentido falta de confiança ou receio de avançar em alguma área da sua vida?
  • Tem colocado a si próprio/a algumas perguntas como: “serei capaz?”, “será que vale a pena?”; estarei preparada/o para isto?”…

Costumo dizer, e gosto de acreditar, que a vida nos desafia regularmente para nos ajudar a crescer, e aprender novas maneiras de lidar com as barreiras, internas e externas, os imprevistos e as dificuldades.

Muitas vezes, o processo de reforço da nossa confiança é mais depressa validado pelos outros que por nós próprios. Quantas vezes já deu por si a lamentar a sua falta de confiança e ouvir de quem o escuta algo do género: “Bolas, quem me dera ter a tua coragem e a tua força!”; “Já te conheço há algum tempo e tens crescido imenso, estás muito mais capaz e confiante!”…

O grande desfio é que, muitas vezes, e quase sem nos darmos conta, podemos estar a lesar e a enfraquecer a nossa autoconfiança.

Para que deixe de cometer esse erro, deixo aqui 3 formas simples para garantir que se torna um aliado e não um sabotador da sua confiança interna.

1 – Está a viver com foco nos seus medos? Mude o foco!

Prestamos demasiada atenção do nosso valioso tempo às histórias que contamos repetidamente nas nossas cabeças e que nos induzem medos, assim como às histórias que os outros nos contam e nos sugam a força de seguir em frente. Quão familiarizado está com as frases que se seguem, às quais decidi chamar de SUGADORES DE CONFIANÇA?

  • “Não dormi o suficiente hoje e quando não durmo fico mais vulnerável!” – pensamentos indutores de relações causais negativas;
  • “Se eu não conseguir, se eu falhar, se perder tudo o que consegui até hoje, o que irão pensar de mim?” – pensamentos antecipadores de fracasso e indutores de insegurança;

Quer mudar o foco? Experimente fazer uma boa pergunta: “Em que me devo focar para ter evidências de expansão, força e confiança todos os dias e sempre que necessitar?”

2 – Está a usar o exterior para se definir? Mude a referência!

  • “Não tenho o peso que desejo”.
  • “Não tenho o dinheiro que preciso”.
  • “Não tenho a relação que gostava”.

Estas são expressões muito comuns. E quando permitimos que o exterior nos defina, transformamo-nos numa projeção desses estímulos e acabamos por não nos conectar com quem realmente somos. E se pudéssemos equilibrar estes 2 ingredientes?

Quer mudar de referências?

Pense sobre as seguintes perguntas: “O que ganhei no passado quando fui autoconfiante, quando me foquei nas possibilidades?”

Quer continuar a mudar de referências? Experimente também perceber se merece e quer realmente aquilo que deseja.

Por exemplo, tente responder a esta questão: “Se não houvessem barreiras, nem obstáculos, nem fracasso, o que queria alcançar e o que faria para lá chegar?”

3 – Está a usar apenas a sua mente racional? Use a emocional também!

A mente racional sozinha dificilmente consegue materializar os nossos desejos, se entrar em conflito com a mente emocional. As grandes mudanças e os grandes desafios nem sempre fazem sentido racionalmente.

Quando ouvimos a voz emocional e ganhamos confiança para agir, quando lhe juntamos as estratégias racionais para lá chegar, tudo fica mais interessante.

Sabia que num estudo feito com CEO’s se comprovou que os mais intuitivos, os que acreditavam mais, e confiavam na sua voz interior, tinham maiores níveis de sucesso?

O racional faz-nos sentir seguros mas nem sempre felizes e realizados

Neste sentido e resumindo:

  • Foque-se mais no seu potencial que nos seus medos;
  • Foque-se mais no seu interior e na sua essência,
  • Foque-se na mente emocional para decidir e na racional para planear.

Está pronto para dar este passo?

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Por normal, traduzem-se em baixos níveis de sucesso, em fraca produtividade e numa ausência de confiança das pessoas que fazem parte da […]

Deixe uma resposta

Quer juntar-se ao debate?
Esteja à vontade para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *