Seja Camaleão e mude a realidade!

Sabia que os alunos em que os professores acreditam mais têm melhores notas? E que o mesmo acontece na relação chefia-colaborador; marido e mulher; pai e filhos?

Em 1968 numa escola na Califórnia, os pesquisadores Robert Rosenthal e Lenore Jacobson, disseram aos professores após um teste de QI aplicado aos alunos que 20% dos mesmos tinham mais potencialidades de serem excelentes alunos o que veio a ser validado no final do ano. O interessante é que a escolha dos 20% iniciais dos alunos foi meramente aleatória e alguns dos alunos incluídos neste grupo tinham inclusive, um baixo QI em relação aos demais.

EXPETATIVAS DEMASIADO BAIXAS SABOTAM POTENCIAL!

EXPETATIVAS ELEVADAS GERAM RESULTADOS ELEVADOS!

EXPETATIVAS DEMASIADO ELEVADAS PODEM BLOQUEAR!

Atrevo-me enquanto Coach a fazer-lhe aqui algumas perguntas:

  • Quais as suas expetativas em relação aos seus filhos? Aos seus colaboradores? Ao seu companheiro?
  • Quais as suas expetativas em relação a si e ao seu futuro?
  • Quais as suas expetativas em relação á sociedade em que vivemos?

Em Psicologia, estas profecias “auto-realizadas” na gestão da expetativas em relação ao outro designam-se:

  • Efeito Pigmaleão – profecia auto realizável positiva; ao elevarmos as nossas expetativas em relação a algo ou a alguém, mudamos a nossa atitude e os nossos comportamentos em relação a essa pessoa e/ou realidade; somos mais recetivos, mais encorajadores e mais ativos.
  • Efeito Golem – profecia auto realizável negativa, ao baixarmos as nossas expetativas em relação a algo ou alguém, a nossa atitude e comportamentos tornam-se mais descrentes e complacentes em relação a essa pessoa e /ou realidade; somos mais passivos e mais reativos e resistentes a qualquer indicador que possa dar evidências contrárias.

Dito de outro modo, a nossa perceção pode influenciar a realidade! As nossas expetativas, mesmo sendo erradas, podem condicionar os comportamentos associados e os resultados.

  • Seja “camaleão” e use algumas das seguintes dicas para por o Efeito Pigmaleão em ação:
  • Chame os seus colaboradores (filhos/companheiro/etc), á parte e incentive-os a melhorar: diga-lhes que acredita neles, na sua capacidade de melhorar, que esta disponível para ajuda-lo, comprometa-os para o seu próprio sucesso.

Use o seu potencial comunicacional para enaltecer, elogiar, valorizar as capacidades e o potencial ao invés de criticar de forma destrutiva. Nada garante que todos vão melhor mas a probabilidade de isso acontecer é acrescida.

“Trate um homem como ele é e ele permanecerá como é.

Trate um homem como ele pode e deveria ser

e ele se tornará o que pode e deveria ser.”

(Johann Wolfgang von Goethe, escritor, cientista e filósofo alemão)

Rosenthal sugere 4 estratégias, fatores-chaves para maximizar os nossos resultados relacionais:

  • Clima afetuoso – crie um clima amigável, pois vai contribui para uma comunicação mais aberta e clara, tanto por meio de palavras como de comportamentos;
  • Instrução e desafios – invista na instrução, mas desafie-os também com metas elevadas que os impulsionem a crescer, a se superarem;
  • Oportunidades de acerto – crie oportunidades que os ajudem a acertar, como tempo e outras condições, que aumentem as suas hipoteses de atingirem metas elevadas;
  • Feedback – dê constantes informações, por meio de palavras e comportamentos, que validem positivamente a execução das tarefas bem-sucedidas (profissionais ou escolares).

E como podemos contribuir connosco mesmos quando nos sentimos alvos de comentários depreciativos de outras pessoas? Com bom senso, verifique o que nesses comentários pode ser aproveitado (porque apontam reais pontos fracos nossos) e o que não nos acrescenta algo positivo. O que não nos acrescenta, inspiremos fundo e, ao espirarmos, imaginemos que estamos a deitar fora o que não interessa.

Ao fim ao cabo alguns “camaleões” têm dificuldade em ver a realidade como ela realmente é.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se ao debate?
Esteja à vontade para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *